Minha foto
Organizadora de Ideias. Coach. Empreendedora. Escritora. Ex-executiva de multinacionais, por onde navegou 15 anos. Há quatro, cultiva o Viver Mais Simples.

22.10.14

Amar o lado torto

Uma pessoa me conta: "minha mãe sempre me achou avoado".
Penso logo em um menino cheio de voo dentro e sorrio.
Afinal, casei-me com um homem assim, que vê detalhes que ninguém vê "por aí" e os fotografa para nos acordar. E que lindos são estes detalhes, assim amplificados.

Outra pessoa me diz "que é um E.T." e nos divertimos pensando nas vantagens de sê-lo. Ver de um jeito diferente. Admirar estranhezas.  Perceber nuances.  Abrir-se ao novo. Ser sempre inédito.

Eu mesma ouvi muito: "você fala demais" e todas as piadas possíveis com minha tagarelice.
Não quis saber. Agarrei-me na ideia de ser um tipo de Emília de carne e osso e saí por aí falando.
Virei palestrante.

O olhar crítico do outro nem sempre é mal-intencionado.  São conselhos para nos melhorar, pela ótica de quem não é quem somos.
Portanto, bem intencionado ou não, inócuo. Pois só sabemos ser nós mesmos.

Fingimos ser outras coisas, é claro. E isso traz muito sofrimento.
Tentamos fórmulas alheias para conseguir trabalho, amor, amizade.
No final, não dá muito certo.
Ou nem metade do que seria.
Se fosse do nosso jeito.

Mas qual é o nosso jeito?
Como ser E.T., avoado e tagarela com amor próprio? Se o gabarito alheio é tão duro e, ao mesmo tempo, confortante.
Ser desigual é bastante solitário, lembram de Flicts?

Pois bem, não vejo outra saída.
Além de abrir a porta para dentro.
Lá no fundo, onde não costumamos olhar, estão todos nossos tesouros.
A beleza de ser singular.
Imperfeitos.
Sempre.

Lembro-me do meu arquiteto, apaixonado pelo taco que destoa no desenho do chão do escritório. Ou sugerindo que ao invés de tentar substituir o puxador que Olivia jogou no lixo aos dois anos, simplesmente o substituamos com uma faixa escrita "Olivia".

E este "defeito" de nossa cômoda vai nos lembrar de nossa filha pequena, desajeitada e metódica. Viu um "lixo" no chão e pronto, livrou-se dele.
E a cômoda segue sem puxador e ela segue linda, imperfeita e pura possibilidade.

Como cada um de nós.

20.10.14

Dia do Poeta II


E compartilho também um de meus poemas de menina, aos dez anos de idade...


"É URGENTE INVENTAR:
uma máquina que evite as guerras
que destroem famílias e casas
e nos deixa infelizes.

É URGENTE DESCOBRIR:
o caminho da felicidade
tão longo e árduo.

É URGENTE BUSCAR:
um método especial
de fazer-nos lembrar
do amor de Cristo.

É URGENTE OLHAR:
para dentro de si e, de lá,
tirar sua luz e sua esperança.

É URGENTE ESPALHAR:
suas ideias que melhoram
um pouco esse mundo cruel.

É URGENTE ENCONTRAR:
a inocência das crianças
mais a experiência dos adultos.

É MAIS URGENTE AINDA:
encontrar o seu eu
numa simples poesia
no simples clarear do dia. "

Letícia. Agosto de 1983

Dia do Poeta

No dia do Poeta, abro espaço para meu poema favorito (e não tão conhecido) de Carlos Drummond de Andrade:

"E tudo que eu pensei
e tudo que eu falei
e tudo que me contaram
era papel.

E tudo que descobri
amei
detestei:
papel.

Papel quanto havia em mim
e nos outros, papel
de jornal
de parede
de embrulho
papel de papel
papelão."