Caronas

Viver mais simples é também enxergar o grande no pequeno, a beleza no cotidiano. E ser grato. Eu hoje estou grata por um par de coisas, mas quero falar das caronas.
Ao escolher ser pedestre, quis experimentar o extremo de não ter carro. Já passei quinze dias sem entrar num veículo motorizado desde então... E não me queixo, muito de minha vida é resolvida em alguns passos. O que não dá, faço por metrô ou táxi, beneficiada pelas tarifas camaradas do Rio.
Mas também recebo muitas caronas. Ontem recebi duas, com um fato em comum: não pedi por elas, meu destino não era o destino dos motoristas generosos que a ofereceram... E fiquei mais agradecida ainda porque ontem estava meio mole, indisposta mesmo.
O bonito da carona é que ela pode ser um resumo de muitas coisas boas: um gesto de amor ao meio ambiente, claro. Uma ajudinha para quem tem bagagem (com dois filhos, sempre me encontro nesta categoria). Um prolongamento do bate-papo (ou antecipação). E um gesto de desprendimento, já que tempo é bem precioso e o trânsito não anda lá estas coisas.
Obrigada, Érica. Obrigada, papai e Marília. É uma honra ser merecedora do seu tempo, seu afeto e sua gasolina!

Marcadores: ,