Paternidade + Simples por Luiz Henrique

Quem me conhece sabe que sou um intransigente aficcionado da Língua Portuguesa, mas o idioma inglês dá suas cacetadas, por assim dizer. Por exemplo a palavra parenthood, que indica a condição de mãe ou pai, e para a qual a tradução é mesmo paternidade, sem machismo, é só que o gênero neutro em português equivale ao masculino, o que vai me fazer falar de filho aqui, quando só tenho uma filha, como vocês podem ver ao lado. Mas deixemos a gramática para os doutores de Bizâncio.
O fato é que ser pai/mãe tem mais coisas em comum do que se supõe a princípio, penso eu. Nessa nossa sociedade tão voltada para as diferenças de gênero (feminismo, meninos são assim, meninas são assado, o novo papel do homem na modernidade e outros etc.), compartilhar uma condição pode ser extremamente construtivo para um casal. Há aquele velho provérbio africano que diz que é preciso todo um vilarejo para se criar uma criança. Bom, pelo menos um casal ajuda bastante, ressalvadas as configurações específicas de família presentes e totalmente possíveis.
E se discutir a relação virou clichê negativo, discutir a visão dos pais (e avós, e tios, e babás, e escolas, e grandes amigos, ói nós aqui palpitando) de como lidar com crianças (outra vez o inglês e suas vantagens – os verbos para criar filhos [raise, grow] dão idéia melhor do sentido de permitir que cresçam, elevem-se) é fundamental. É mais simples ajustar a sintonia das visões fora das vistas e dos ouvidos da criança e aplicar em conjunto os mesmos princípios.
Mas o que eu acho fundamental mesmo é a confiança em si. Os pais e as mães nascidos (e criados) nessa era superanalisada, supercompetitiva, supercheia de manuais (1001 vinhos para beber antes de morrer, 1001 maneiras de trocar a fralda do seu filho etc.), precisam, por necessidade de sobrevivência, ler tudo, ouvir tudo, depois respirar fundo e jogar tudo que não for bom-senso fora. E bom-senso não vem em manuais. Constrói-se a cada vivência, a cada conversa, a cada leitura, a cada vez que você olha seu filho nos olhos e sabe. No fundo (e no raso também) criar "bem" um filho é viver bem. E viver bem não tem receita. Sabemos no entanto, geralmente por experiência própria, que a culpa, a cobrança excessiva e a rigidez ou desleixo desmedidos não ajudam.
Bom, vocês devem se perguntar, então o cara vem aqui, pega o espaço da dona do blog, cria toda uma expectativa, pra dizer que o segredo do lance da parada do bagulho é o equilíbrio e estar bem consigo mesmo e essas paulocoelhadas todas? Sinto muito, mas é isso mesmo. Tudo que me vem na cabeça sobre o assunto é clichê, lugar-comum. Mas vamos em frente.
Estabelecer uma comunicação com seu filho (clichê). Pra mim, passa por olhar bem pra ele e vê-lo como um outro, uma pessoa, diferente de você, semelhante de você, como diria Arnaldo Antunes. Pode ser meio difícil, por que a gente tem esse negócio de genética, geração de filhos, puxou ao Tio Fulaninho, é igualzinho à beltraninha quando tinha essa idade, olha só o gênio, coisa de menino, coisa de menina, é a fase etc muito presente na cabeça. Sugiro duas linhas:
1) Se você não é muito chegado a filosofias espiritualistas, e vai mais pelo lado da cidadania, pense em seu filho como um pequeno cidadão, com direito a pensar as coisas do jeito dele, e lide com ele assim, sem esquecer que os cidadãos têm regras para o convívio em sociedade. E que a democracia entre pais e filhos é um pouco diferente. Mas respeite o ponto de vista dele, negocie, construa o consenso (clichêêêê)
2) Se você acha que seu filho é um ser eterno, cuja existência preexiste e transcende a esse estágio de seu filho, fica mais fácil, embora a responsabilidade continue a mesma.
Observe. Observe mais um pouco. Escute. Escute mesmo. Absorva o que viu e ouviu. Reflita sobre o que viu e ouviu. Só então interprete como é seu filho em cada situação, respeite o jeito dele de ser, mas, atenção, não abra mão de orientá-lo e modificar a atitude dele de acordo com seus próprios valores! E isso não é desrespeito à individualidade dele, cebolas! Vem com o pacote da paternidade. E faz filhos mais felizes, logo pais também. Simples assim.
E pra ser contraditório com o que disse no início (o que aliás é um bom exercício de flexibilidade mental), ter uma filha é bem diferente de ter um filho, assim como é diferente ser mãe ou pai. Só acho que isso não pode ser explicação nem limitação pra tudo. Eu digo pra minha filha: "deixa pra lá, sabe como são os meninos..." e coisas assim. Mas procuro não cristalizar demais essa visão dominante na sociedade, porque acho que atrapalha os relacionamentos passados, presentes e futuros, empobrece a convivência, limita a criatividade e põe em risco a aceitação do outro, pra nem falar na tolerância.
Resumindo o post: calma, e sai pra lá culpa. Lembrando que o ensinamento cristão é amar ao próximo como a si mesmo, e não amar mais do que a si mesmo. Fazer tudo pelos filhos é ótimo, mas façamos primeiro por nós. A gente vai errar muuuito, mas, o que é errar mesmo? Ah, é o pressuposto de aprender. Tá bom então.
Confesso que penso muito nessa história de paternidade, mas nem tanto assim. Pra mim é meio natural. Deve ser o tal instinto materno... E a minha filha ajuda bastante, modestamente. Vejam aí, com trilha sonora de Zizi Possi, canção de José Miguel Wisnik, em homenagem ao espaço cedido aqui nesse sítio, Mais Simples.






foto para contar uma história.jpg

Marcadores: