Virando a mesa


Hoje não começou exatamente como o meu melhor dia... Dedéia tinha compromissos familiares, mas Léo estava puxando uma perna, portanto fomos eu e os dois filhos de táxi para uma consulta de última hora com minha terapeuta corporal. Tive que desmarcar a entrega do guarda-roupa e, se não bastasse,  perdi a chave de casa em meio ao caos de viajar com dois rebentos cheios de personalidade!
Após deixar o Léo na escola, cheguei em casa me sentindo para lá de fracassada: mãe impaciente, cabeça e bolsa cheias de mais e chave de menos! Exausta e nem eram duas da tarde.
E aí o dia começou a melhorar. Após admitir estar no fundo do meu poço diário, teimei em lutar contra a corrente de mau-humor e fui em frente. Comecei indo ao Pilates, depois Drenagem Linfática.  Depois resolvi dar um presente inesperado para Léo:  um kit novo e baratíssimo de Gormitis das Lojas Americanas, ele ficou TÃO feliz... Como só crianças de cinco anos sabem ficar.
Hoje é o dia em que Lucrécio sai mais tarde, por conta de uma reunião semanal. Decidi então mover-me com as crianças para a casa de meu pai, para um final de noite mais amparado. E aí, surpresa: um taxista de bom coração trouxe a chave perdida.  Para finalizar (e como consequência óbvia), Léo e Olívia se comportaram como anjos.
Chego em casa contente e esperançosa. Mesmo um mau começo pode ter uma virada. Não desista!
Crédito: Pandore, por Jules Joseph Lefebvre, 1882

Marcadores: