Amor vertical

Hoje é Dia dos Pais.
Dou-me conta, com alguma tristeza, que a maioria de meus grandes amigos já perdeu o seu.
Agradeço por meu pai estar vivo e bem perto.
Reflito, entre curiosa e admirada, sobre este papel, que desconheço.

Ser pai.

Ser mãe é parte do meu dia-a-dia.  Cuidar, dar colo, ralhar. Pentear os cabelos da filha.  Ajeitar a mochila do filho. Sou uma mãe moderninha, mas não há como fugir do cuidar, aninhar, nutrir.

Observo, curiosa, os pais ao meu redor.  Meu marido, meu irmão, meus amigos. Meu pai.
Por mais que os anos passem, são ainda exigidos como provedores, detentores da disciplina e firmeza, portadores da verticalidade que decreta sim e não.
Quando mais velhos, espera-se sabedoria. Um bom conselho e uma certa doçura de avô.

Amo estes homens, divididos entre os velhos fazeres e as novas exigências.
Que sejam mais sensíveis. Que ajudem na lida doméstica.  Que façam terapia.  Que entendam o mundo feminino.

Vejo meu filho, de nove anos, formar-se homem.  A violência que é formar-se homem.
Brigas, não poder chorar em público (ainda, meu Deus?).

Cercada destes varões, agradeço a sombra destes galhos altos.
Sou guerreira, mais para Ulisses que Penélope, mas ainda assim, formei-me mulher.
Não tive que provar minha força no pátio do colégio. Nem tive que esconder meus sentimentos e meus medos.

Ainda hoje, o homem que se despe e se mostra vulnerável, é exceção.  Vejo muitas couraças.
Eu mesmo imponho armaduras a meu marido e filho, mesmo sem querer.

Pais, homens.
Agradeço sua presença e estendo meus braços.
Desejo profundamente que possam viver a si mesmos, genuinamente.
Sem ter que lutar para mostrar seu coração. Sem engolir lágrimas.

Reconheço, com humildade, que me forjei nos braços destes gigantes. Meu avô, meu pai, meu marido,  meu filho. Meu padrinho, meus tios, meus amigos.
De braços dados com estes homens, empreendo minha própria jornada.
Buscando em mim a mulher que sou (e tantas vezes esqueço).
Alimentando a força e coragem ancestrais. Verticais.
Amor vertical, que me impulsiona e fortalece.
O amor de meus homens.

Marcadores: ,