A pedra necessária

Vez ou outra, uma pedra surge no caminho.
Não encontro descanso até descobrir como retirá-la, eliminá-la.
A questão, a grande questão, é quando esta pedra precisa ficar onde está.
Ou quando simplesmente, não tenho força para movê-la.


Lidar com esta frustração pode ser bem difícil.

Com relutância, venho aprendendo que há pedras que existem por um bom motivo. São imutáveis, sólidas, enraizadas no chão.
Muitas vezes, iludi-me de que as havia removido.  Ledo engano.
Ficaram momentaneamente invisíveis, pela força de meu  poder de fantasiar em torno delas.
Pisco o olho e voilá. A pedra de novo.

Estas pedras tem um sentido, como tudo que é espinho na vida.
São mestres de humildade e aceitação.
Concedei-nos, Senhor, a Serenidade necessária
para aceitar as coisas que não podemos modificar,
Coragem para modificar aquelas que podemos,
e Sabedoria para distinguir umas das outras.
Assim, venho aprendido.
Há pedras para nos ensinar nosso limite. Logo eu, que preciso tanto de fronteira.
Suspiro, resignada.
Será preciso contorná-la, escalá-la, ignorá-la talvez.
Esta pedra veio para ficar.
E eu vim para o movimento.