Lá no fundo


Buscar a energia necessária para os últimos atos do ano.
Encontrar amor para acolher o filho em momento rebelde.
Lembrar de respirar fundo e fazendo barulho, além de todos os outros conselhos da amiga que se foi.
Ter disciplina de fazer massagem, pintar as unhas, cortar o cabelo e ver amigos, no meio do turbilhão.
Resignar-se com não dar conta, atrasar entregas e fazer o possível, nem sempre suficiente.
Persistir no amor, resistir às mágoas.
Cultivar seu melhor eu, mesmo em dias nublados.
Encontrar espaço para a gratidão, no meio da agenda sem respiro.
Deixar pratos quebrarem, sem sofrer. Tanto.
Saber retirar-se antes do pavio queimar.
Parte da imensa lista de compromissos neste final de ano.
De onde vem a energia para dar um passo após o outro?
Desta força bem guardada no fundo, lá no fundo do meu dentro mais dentro.