Coração de quintal

Tem gente que nos ensina.
Ensina a amar, perdoar, prosseguir.
A honrar os mais velhos, a transgredir, a libertar-se.
A amar os livros e amar as pessoas.
Tem gente assim, como minha tia Suzana.

Apesar de amar História e cuidar com carinho de muita tradições da família, tia Suzi nunca deixou de me apoiar nas minhas mudanças de vida.
Leitora assídua do blog, seus comentários constantes são vento nas minhas velas.
Quando eu lia, emocionada, poemas do meu livro para a família, ela me encorajava.
Quando eu era adolescente rebelde, aconselhou: "Menina, você precisa de uma terapia".
Lembro-me com carinho de uma temporada na sua casa, com cheiro de limpeza e o acolhimento misturado ao impecável da decoração.
As mesas caprichadas de Natal. As colchas de chita enfeitando as camas da casa da Praia.
Os presentes, sempre lindos e úteis.
A voz mansa, sugerindo um "se acalme , menina", sempre sábio e pertinente.
A amizade com a irmã caçula, o xodó com as sobrinhas-netas, o comentário certeiro sobre o vestido que caiu bem ou tantas outras gentilezas.
Não é fácil ser irmã mais velha, bem sei. Por isso acompanho com gratidão o percurso desta mulher, tão inteligente e tão humilde.
Hoje este blog é só dela.
Feliz aniversário, tia querida.