A minha voz

Billie Holiday
Estive sumida.
Muito o que fazer, é verdade. Mas apenas.
Estive buscando minha voz. Estou.
É preciso. Cada vez mais.
Quem sou eu? O que quero deixar de legado?
Busco discernir a minha voz das outras. Fora de mim. Dentro de mim.
Vozes que acendem meu medo. Vozes despertadoras de inveja. Vozes de incansável exigência.
Pratico uma nova forma.
Ereta, em silêncio.
Qual é a minha voz? Entre tantas que sibilam.
Ela sempre está lá. Serena, paciente. Esperando o meu chamado.
Ser eu, autenticamente.
Sem ferir ninguém (se possível).
Simplesmente eu.
Ando testando a envergadura de minhas asas.
Pronta para um novo voo.
Meu voo. Minha voz.

PS: Amanhã, segunda-feira, 26/10, estarei em São Paulo lançando o VOE, meu novo movimento em parceria com outros sonhadores. A serviço de que cada um possa encontrar a sua voz.
Voa comigo?