O Fundo da Caixa

"Todas somos Pandoras, nós com as nossas caixas"
Daniela Belmiro

Alex Solis
Tantos males revelados. Revoada insistente dentro.
A consciência ampliada não permite fantasias.
Pandora olha para dentro de sua caixa
Ansiosa.
Por vezes, uma luz fraca brilha ao fundo.
Apenas outro vagalume fora de lugar.
A caixa é funda.
Pandora persiste.
Quem sabe por baixo desta memória feliz, deste sonho dourado.
Nada.
O coração pisca, como o vagalume desavisado.
A caixa é tão grande.
Vez ou outra, um bater de asas.
Por um momento, sorriso de alívio.
Nada. Apenas uma traça retardatária.
Pandora escorre as fotos antigas entre os dedos, os sentimentos amarrotados.
Saudades, tristezas, promessas, desejos inacabados.
Rios correndo ano após ano em suas veias.
Pandora entra na caixa.
Fecha a tampa.
Lá, no escuro cheiro de mofo, acostuma-se com a ideia de não mais encontrar a esperança.